Artigo de Setembro

REFLEXÃO SOBRE O ESCÂNDALO DA ESPIONAGEM NO BRASIL



​​By Jerome P.Santos

 

Não há como negar. O governo americano, através da Agência de Segurança Nacional (NSA), interceptou vários telefonemas e e-mails da presidente do Brasil Dilma Rousseff, seus principais assessores, empresas estratégicas brasileiras e outros cidadãos brasileiros. Cópias destes documentos secretos foram expostas na mídia brasileira e hoje estão disponíveis em sites de todo o mundo. A presidente Rousseff está furiosa. Sua fúria  se  intensificou  quando o presidente

não cumpriu a solicitação da presidente para que explicasse o evento e entregasse as cópias de todos os e-mails privilegiados, transcrições de chamadas telefônicas e documentos relativos ao Brasil que estão em posse da NSA. Como resultado, a presidente Dilma "adiou" a visita oficial e o primeiro State Dinner oferecido a um presidente Brasileiro pela Casa Branca que aconteceria no final de outubro, ainda esse ano.

 

Com relação aos negócios, o escândalo de espionagem pode prejudicar os esforços da Boeing Corporation para vender trinta e oito caças ao governo do Brasil. Estima-se que essa negociação vale pelo menos cinco bilhões de dólares para a Boeing. Acredita-se que a Boeing ganharia o contrato de fabricação que seria então anunciado durante a visita de Dilma Rousseff à Washington em outubro. A licitação foi adiada e a previsão é que somente aconteça em 2015.

 

Cópias de e-mails privados, telefonemas e documentos da NSA sobre o Brasil e a presidente Rousseff foram divulgados por Glenn Greenwald, o jornalista do britânico do The Guardian, que recebeu cópias do dossiê secreto da NSA diretamente do ex- consultor da NSA Edward Snowden. Greenwald vive no Rio de Janeiro e é agora, juntamente com Snowden, considerado por muitos um herói nacional. Em um dos documentos publicados, a NSA entra na rede privada da Petrobras, que tem uma grande licitação internacional para concessões de petróleo no Brasil, acontecendo este ano. Em outro documento, que se refere aos desafios internacionais que os Estados Unidos terão de enfrentar nos próximos anos, o Brasil é classificado como um país de preocupação, sob o título: " amigos, inimigos ou problemas". Rousseff lançou um duro ataque contra espionagem dos EUA durante a Assembleia Geral da ONU. No seu discurso de abertura, a presidente Dilma acusou a NSA de violar a lei internacional por sua coleção indiscriminada de informações pessoais de cidadãos brasileiros e a espionagem econômica em setores estratégicos do país.

 

A espionagem do Brasil pela NSA não foi uma grande notícia nos EUA, mas no Brasil todos, desde o motorista de táxi ate o executivo de negócios, estão falando sobre o assunto. Qual será o próximo passo do governo brasileiro? O que o governo americano deverá fazer? É importante notar que esses documentos “top secret” mostram que o Brasil não é o único país a ser espionado pela NSA. Vários outros países como México, França, Índia e África do Sul também estão solicitando explicações dos EUA sobre a intrusão em suas comunicações privadas. A administração Obama será forçada a fazer um "mea culpa" e aceitar um pouco de humilhação mas na prática alguma coisa vai realmente mudar? Provavelmente não. A falta de privacidade dos indivíduos e dos governos é uma consequência dos avanços nas comunicações, na mídia social e no comércio online que bilhões de pessoas em todo o mundo desfrutam cada dia. Além disso, muitos concordam que os Estados Unidos e outros países têm o direito a “um pouco” de espionagem por razões de segurança nacional. A presidente Rousseff e outros líderes mundiais terão que desenvolver e/ou adquirir tecnologias de segurança cada vez mais avançadas. O novo campo de batalha é no espaço cibernético: inovação tecnológica contra inovação tecnológica, a fim de manter os “segredos do cofre”. O crescente poder e conveniência da internet acabou por ser uma faca de dois gumes.

 

A presidente Dilma Rousseff e todos nós teremos que nos adaptar com a nova maneira de viver e fazer negócios. Nesse caso, o mais sensato será aceitar a nova realidade e usá-la da melhor forma e a nosso favor. A dependência que hoje a sociedade tem da internet e mídias sociais é grande demais para voltar ao básico ou ignora-la. O desafio agora é aproveitar os benefícios que as novas tecnologias de comunicação nos oferece mantendo a nossa privacidade e a segurança das informações privilegiadas. É um esforço contínuo. O mundo tem que entender, adaptar-se e agir como se tudo o que está sendo comunicado pode ser visto ou ouvido.